terça-feira, 5 de outubro de 2010

Lição de anatomia, Rembrandt


Vai sem pressa resoluto, vai tingindo num minuto
,
tinge tinge um cheron ficando a derme bem marron.
Passam campos passam drenos tudo tudo ao extremo.


Traça lâmina dissecando e compressa vai secando...
“Halsted”, “Kelly”, “Rochester”, “Moynihan”“Babcock”, “Allis”, “Collin”
vão brincando e em vasos vão prenssando.


Fica tenso o tecido “Gosset”, “Finochietto”, “Farabeuf” separando bem conciso
logo em frente um macete, bloqueio intangível aponeurose sendo visível,
pensa pensa cirurgião até chegar a região, terminando tudo hígido e no orgão um inciso.


Vamos vamos hemostasia terminando a cirurgia
puxa puxa estica o fio, pega pega o porta agulhas terminar essa sutura...
Tudo limpo bem firmado, segue o anestesista aprumado.


Tiram campos alegremente, maca a vista passando paciente,
tempo exato e em ponto mais um dia a ficar pronto...
A equipe em euforia comemora em maestria.

Um comentário:

  1. Lição de anatomia e de poesia.
    O ofício entrando na poesia!... E a poesia no ofício.
    Novo e interessante!...
    Beijo!

    ResponderExcluir