terça-feira, 20 de julho de 2010

Afélio

Wega Nery, caminhos fantásticos


Rompi com o mundo, não volto atrás
deixo a música , pintura e poesia,

rompi com o mundo, e que ele abraxas...
Que fique com sua acinesia...


Rompi com o mundo,
tanta quimera...

Num ato soturno ele me engoliu
e previa de antevéspera
estou como um afélio, por certo era um tejutiú.



Rompi com o mundo, ele se cansou de mim...

Fecho portas e janelas, digam que eu morri !!

Digam qualquer coisa !!

Que eu me mudei e virei um maramomim ...









3 comentários:

  1. Rompi com o mundo...

    Rompeu em mim um novo universo...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Que importante esse defloramento com o mundo...
    rompendo hímens que prendem o ser a uma pureza insana e ilusória...
    Romper o ser mulher para ser longínquo e muito além disso...
    Assim, a orbitar bem longe, longe, do sol, do mundo, da ilusão.
    E, finalmente, o não ser que revela o ser em plenitude!


    Eu viajo nos seus escritos. rsrs
    Que delícia!!!
    Beijoos, lindona!
    =)

    ResponderExcluir
  3. Amiga FM, não posso dizer que aprecie a segunda linha deste teu poema (risada), mas o restante está lindo e Intenso!
    Vou descer um pouco mais e espreitar este Monet Lugar...
    Hummm...vejo Klimt e Pessoa :)
    Bjinhos Azulis

    ResponderExcluir