quinta-feira, 8 de março de 2012

Fenecer

Alagamento em São Paulo, Fernando Antonio Naviskas




Em tempo a sonata já desfaz seus últimos acordes
De árida a terra se tornou alagada
Presumido os seixos ficaram recobertos sem alardes
Percorrer aqueles caminhos somente com jangada


Procurar pelos castanhos mesclados por verde
Somente borralhos e densos azuis
Dos olhos só avistavam o profundo celeste
Do corpo a inquietude adensando um suposto croqui


Na memória os mais pífios esboços não recolhidos
Investigar em canson seria tingir de agonias
Todos os remorsos, desesperos já distendidos
Deixa aquietar-se nas gavetas das alquimias


Vasculhar seria contrapor, destoar, discernir sentimentos.
Aquém de intraduzíveis cores dos infindáveis bueiros
Escoam as águas submersas da fala em fragmentos
Pedaços do papiro, depondo sintaxes, devolvendo abatimento.


Na substancia verteu, decantou-se.
E de terra que se precisava, escorreu.
O papiro convertido em gotas rasgou-se
E nos olhos cansados... Tanto mar. Feneceu...

6 comentários:

  1. Um papiro convertendo-se em lágrimas!
    Mares e celestes profundos nos olhos!
    Uma sonata desfazendo-se em acordes!
    Uma gaveta de alquimias!
    Enfim ...
    E tudo tão bem combinado.

    Tantas imagens sempre novas nos seus poemas sempre muito visuais. Como se fossem mesmo telas.

    Parabéns! Sou seu fã!

    ResponderExcluir
  2. Monet, que belo dia para te visitar. Adorei a música, o cenário de poesia e sobretudo amei reler em tuas palavras imagens de sabedoria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sê benvinda a este pequeno cantinho Acáci@, a sabedoria está na alma de cada um de nós, é um aprender constante...

      Excluir
  3. Olá. Há muito tempo não visito seu blog. Gostaria de pedir desculpas. Vejo que continua escrevendo maravilhosamente bem. Quero pedir desculpas também porque receio ter cancelado uma solicitação sua no facebook'-_- Foi sem querer! Um dia serei um ser humano sociável e saberei mexer com todas essas redes sociais.
    Como você está? Espero que esteja bem.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Olá amigo, quanto tempo... Imagine, amigos jamais tem essa obrigação, o bom de sermos assim é que mantemos contato, independente de quanto passe o tempo. Estou bem sim, mande-me notícias sua Aprendiz, saudades e beijos.

    ResponderExcluir