segunda-feira, 16 de abril de 2012

Alma

Capa do livro Canção da partida, Lasar Segall


Alma

Silencia-te! Brusca alma
teu discurso já não condiz
suas formas estão disformes
e a hora por um triz...

Recobre as vestes do calar-te
mesmo que já não te faça parte
ou te sôa como descarte...

Não vês? Seu soneto desorienta!
aparta essa voz, esse som
que me fez de ferramenta...

Silencia-te! Não quero te ouvir
tú que me destes esperanças
e todas delas um porvir...

Restitua-se das asas que me deste
sobre os campos da certeza, que implumada
nesse frio angar de névoas, arrefece
e ante o Sol desfaz-se. E é nada.

Guarda-te nessa malha que para mim teceste.
Amarra-me nessa corda e me impõe teu friso,
e nesse casulo em que me esqueceste
deixa o beijo em minha boca desfolhar em riso.


(Poema de Joel Pozzobom e Luciana D.)


(O (amor) e amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer

E o espelho de minha alma multiplica... Vinícius de Moraes)


3 comentários:

  1. Moça! Eu recordando aqui de quando trabalhamos juntos nessa tentativa de poema, que você completou e terminou tão bem !...
    Você fez daquela tentativa um Poema !... minha participação foi muito pequena. Nada mais que uma opinião aceita pelo seu carinho.
    O poema e o mérito são todos da moça.

    Beijo no Coração!...

    joel

    ResponderExcluir
  2. Belíssima cumplicidade poética...

    beijinho aos dois!

    ResponderExcluir