sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Auroras da minha infância

Pipas, Juliana Duclós



Auroras da minha infância
Aromas da lembrança
Sabores da saudade
Sombreada por acácia
Nostalgia da idade

Pique-esconde
Pega-ladrão
Passa-anel
Queimada
Casinha
Carrinho
Vaga-lume
Pegador
Pula-corda
Correr na calçada...


Limonada
Bolinho de chuva
Goiabada
Pão com manteiga
Mingau
Café com leite
Macarronada
Pipoca
Picolé
Doce de leite...



Eram flores coloridas
árvores das mais frondosas.
Repousar nas almofadas,
das tardes esplendorosas...

E no cair da noite
exaurida e de mansinho,
aconchegada por minha avó
eu dormia rapidinho...

No tempo em que eu era criança...
O mundo era cor-de-rosa,
não haviam tristezas.
A única tarefa era comer as leguminosas.

No tempo em que eu era criança...
Podíamos colher diamantes no céu,
fruta rara era framboesa.
Por-do-sol era fogaréu.

No tempo em que eu era criança...
Ah...! Quem me dera.
Ter um "assunto" com o Sr Tempo,
fazer um contrato, permuta.
Negociar esta quimera.


3 comentários:

  1. "No tempo em que eu era criança... Por-do-sol era fogaréu..."
    Belíssimo teu poema! Maravilhoso! Parabéns!!
    Luz
    Ana Coeli

    ResponderExcluir
  2. Singelo e leve como uma infância, seu poema me levou para longe.

    Obrigado pela viagem.

    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Leonardo (aprendiz)21 de agosto de 2011 02:02

    Esse blog é um dos mais encantadores que já visitei. Uma mistura sincera de beleza, sensibilidade e talento. É louvável a maneira como você traduz os sentimentos em palavras, a habilidade e a intimidade que você tem com elas. Os poemas e as pinturas se complementam e as músicas também são lindas. Um verdadeiro refúgio pra quem procura pelo que há de mais belo e admirável nesse mundo. Adorei!

    ResponderExcluir